Agregar a cultura ágil e a metodologia AWP (Advanced Work Packaging) ao gerenciamento de projetos de engenharia de capital é uma prática muito útil para maximizar os resultados dos mesmos. O antigo controle da engenharia por emissão de documentos e cronograma cascata é um modelo que possui algumas falhas na visão de “entrega de valor” ao empreendimento. Por exemplo, a projetista pode emitir uma série de documentos, que resultam em um avanço significativo na visão do projeto detalhado, mas sem a possibilidade de dar o mesmo avanço quando o verificamos em relação a obra.

Uma sugestão é alocar os princípios ágeis como os da metodologia Scrum (Adaptação, Inspeção e Transparência), aliados com cerimonias ágeis e uma visão de pacotes de engenharia EWP (Engineering Work Package), dentro de situações rotineiras dos projetos.

Como agregar cultura ágil aos projetos?

Começamos com princípio da adaptação. Descrevendo o escopo do projeto como “backlog do produto” e a programação das atividades através de um planejamento de curto prazo, como o planejamento de uma sprint, é possível pensar em incrementos baseados em entregas de EWPs por ciclos de tempo. Estas entregas produzirão pacotes de trabalho para a obra, os CWPs (Contruciton Work Packages), visando a maior performance do avanço do empreendimento. Devido a esta mudança, o projeto ganha uma liberdade para a correções de rumo, ao invés do cumprimento à risca, e as vezes sem ganhos, da linha de base determinada em um cronograma completo pensado no início do projeto, que pode ficar desatualizado.

Cultura ágil

Figura 1: Diferença de gestão

O pilar da Inspeção pode ser aliado a visão do cliente quando da revisão dos documentos. Na cultura ágil as reuniões de revisão, mostram aos clientes os resultados dos incrementos junto com o time que os desenvolveu. Ou seja os incrementos vão gerar uma série de EWPs prontos e terão uma sessão conjunta de aprovação dos mesmos. Diferente de quando o cliente apenas recebe os documentos, individualmente, para comentários. Além desta inspeção conjunta, a implantação de reuniões de retrospectiva, geraram uma série lições aprendidas e planos de ação, de maneira mais constante e podendo ser aplicada no próprio projeto, diferentemente do processo de ter apenas uma cerimônia de lições aprendidas ao final do projeto.

Com relação a transparecia, os quadros ágeis (Scrumboard ou quadro Kanban) e as reuniões diárias mostram o avanço do projeto, em tempo real, ao invés de limitarmos a visão dos steakeholders a apenas a leitura dos relatórios mensais. Agregando a visão de CWAs (Construction Work Areas) aos controles, temos um quadro, conforme figura, que reflete efetivamente a completude da área a ser construída, baseado nas entregas da engenharia.

Cultura ágil

Figura 2: Quadro ágil adaptado para a visão por CWAs

Estes elementos são apenas alguns exemplos de como a cultura ágil e a metodologia AWP podem ajudar a melhorar o gerenciamento dos projetos de capital. Venha conhecer mais de gestão de Engenharia ágil por pacotes EWP, e sobre a metodologia AWP conosco.

 

A Verum Partners tem larga experiência em implantação de Cultura Ágil e AWP como a base para o gerenciamento de seus projetos, explorando a capacidade dessa metodologia de abranger todas as áreas de conhecimento e níveis de gerenciamento, sendo base para a integração entre engenharia, suprimentos, construção e comissionamento.
Temos os melhores profissionais do mercado. Entre em contato com a gente e agende uma apresentação!

Autor: Giancarlo Cittadino, Senior Consultant of Capital Projects and Infrastructure na Verum Partners.